NUNCA faça isso com suas Orquídeas e Aprenda de uma Vez

11 Erros que você faz mas não deveria fazer e que podem acabar com a vida de sua planta em pouco tempo

Dez entre dez amantes de flores não resistem a um belo exemplar de orquídea, sendo assim vamos aprender como evitar erros que podem até matar sua orquídea.



A flor multicolorida é um convite ao cultivo, mas nem todo mundo obtém sucesso no plantio. E mesmo quem já está habituado com a planta, volta e meia se depara com um vaso ‘caidinho’.

Se você vive atrás de dicas para manter as suas sempre saudáveis e bonitas, usando poucos produtos químicos, fique de olho nas dicas da consultora Elza Kawagoe e de Claudia Regina, do Ateliê La Calle Florida.

Sugerimos para leitura:
Manual Completo de Como Cuidar de Orquídeas

Segundo as especialistas, colocando em prática os cuidados certos, as orquídeas podem se manter perfeitas por muito tempo.

Veja algumas falhas comuns com as orquídeas e saiba como reverter a situação.

1. Cultivá-las em vasos de plástico. Prefira os vasos de barro, que são porosos e drenam melhor a água. Isso evita o apodrecimento das raízes.

2. Permitir que elas extrapolem o limite do vaso. O ideal é mantê-las dois dedos para dentro da superfície.

3. Trocá-las de vaso sem reparar de que lado surgem os novos brotos. Chamados de “parte da frente” da orquídea, os brotos devem ficar livres, nunca encostados na parede.

4. Esquecer de acrescentar nó de pinho ou placas de madeira à planta. Além de decorar o vaso, os substratos conservam a água por mais tempo.

5. Não esterilizar a tesoura antes de podá-las. Para essa operação, utilize um maçarico portátil ou a própria chama do fogão.

Mas atenção: espere o instrumento esfriar antes de usá-lo. Esterilize novamente antes de manipular outra planta, para evitar transmissão de doenças.

6. Não passar um cicatrizante após a poda. Neste caso, utilize canela em pó que é um cicatrizante natural.

7. Ignorar as manchas na folhagem. Elas podem indicar que a planta tenha sido atacada por uma praga.

A dica é usar detergente líquido diluído em água. Lave bem todas as folhas e raízes e borrife a concentração nas folhas. Se a infestação for grande, passe o sabão puro, sem diluir.



Sugerimos para leitura:
Manual Completo de Como Cuidar de Orquídeas

Depois, deixe a orquídea por 24 horas na sombra, lave e replante.

8. Usar o mesmo vaso depois de eliminar pragas. O ideal é trocar o recipiente por um novo.

Caso não seja possível, lave-o bem com cloro e finalize com detergente neutro, enxaguando antes de replantar sua orquídea.

9. Não reparar na coloração da folhagem. Se estiver muito escura, é sinal de carência de luz. Nesse caso, troque a orquídea de lugar.

10. Não identificar as orquídeas com plaquinhas. Além do nome da espécie, anote o período de sua última floração.

Mais algumas dicas úteis para suas orquídeas

A primeira dica é algo bem básico, mas que poucos vendedores ensinam aos clientes: orquídeas gostam e precisam de sol.

Embora a maioria das plantas da família Orchidaceae nasçam e cresçam em locais sombreados, elas precisam de luz solar para se desenvolver bem.

Então, providencie um lugar próximo de uma janela, onde sua orquídea possa receber os primeiros raios solares da manhã.

Sugerimos para leitura:
Manual Completo de Como Cuidar de Orquídeas

Nada de deixar a planta esturricando embaixo de um sol escaldante, mas aquele sol fraquinho da manhã fará um bem enorme para sua orquídea.

Orquídeas devem ser regadas com generosidade. É um mito pensar que, por serem plantadas em substrato e viverem em árvores (a maioria são epífitas), as orquídeas precisam de pouca água.

O importante é não ter acúmulo de água, para evitar que as raízes apodreçam ou que a planta seja atacada por fungos e bactérias.

Evite cachepôs neste primeiro contato com o mundo das orquídeas e prefira vasos com furos. Qualquer vaso furado vai ajudar você se tornar um expert em orquídeas – pode ser de barro, madeira ou até mesmo de plástico.

O importante é regar a planta com água em abundância e permitir que todo o excesso escorra.

Agora, se você realmente PRECISA de um cachepô, prefira um de vidro.

Desta forma, você consegue ver se tem água acumulada no fundo – e, com um pouquinho de jeito, conseguirá tombar o recipiente para que a água possa sair.

Lembre-se de tomar cuidado para que o substrato não derrame pela casa.

(Com informações da revista Casa&Jardim)

Sugerimos para leitura:
Manual Completo de Como Cuidar de Orquídeas